quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Você pensa que tem problemas?



Espécie humana, seres altamente individualistas, coletivamente nulos com a própria espécie, não seria diferente com outras. Fundamentados no antropocentrismo, se sentem especiais diante de um universo além de infinito, com infinitas possibilidades, mas se tornaram o maior problema na vida de outras espécies.  

A grande verdade é: humanos fazem do planeta que vivem um verdadeiro inferno, causando problemas e dor a milhões e milhões de outras espécies que habitam esse pequeno planeta. E os motivos desses prejuízos a outros e a si mesmo, é poder, dinheiro e uma ganância insaciável que carregam em seu espírito, onde que, talvez não há lugar no universo que supra esse egoísmo.  

Esse documentário chamado Terráqueos mostra tudo aquilo que a maioria das pessoas não sabem, outras desprezam por ser inconveniente, e uma minoria reflete e muda substancialmente após absorver conhecimento através desse documentário. Esse imprescindível para o desenvolvimento humano, de cada indivíduo em um planeta temporário e em constante mutação.   

Assistam, não por uma questão  de curiosidade, mas por conhecimento, e com a certeza que verá coisas que jamais imaginaria que fossem  ocultadas pelas indústrias, mídia e todo aquele que detém o poder de manipular massas. Além de pessoas comuns que protegem aqueles  que destroem  seu próprio habitat, por estarem em um sono letárgico, provocado por morfina social intensa.    

O sistema atual tem a função de insensibilizar seres humanos ao ponto de fazer perderem referência de quem são, e seu motivo de estarem aqui nesse pequeno lugar transitório. 

Problemas todos tem. Entretanto, os animais não humanos amargam problemas inimagináveis, não produzidos pelos seus erros, mas por estarem sem sua vontade, obra do acaso ou qualquer outro motivo, ao lado da espécie mais assassina do planeta, os humanos.  Isso sim é problema. 

Assistam e tirem suas conclusões: 

Link: TERRÁQUEOS



quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Zoológicos, lugar de gente ignorante





Visitar animais enjaulados, sentir prazer em vê-los em ambientes frios e sem vida, rir da miséria o qual se encontram, o enquadra em um ser humano profundamente ignorante, que segue indiferente ao sofrimento alheio. 

Muitas pessoas estão em um grau elevado de indiferença, e tão a margem de tudo no que se refere ao outro. Quando digo outro, não me refiro a outras pessoas e sim, a outros seres. O mundo humano criou uma redoma de ignorância capaz de cegar pessoas ao ponto de produzirem efeitos tão negativos a sua volta e a si mesmos.


Zoológicos é a clara expressão da imaturidade humana misturada ao primitivismo. Por mais que nos tornemos humanos Hi-Tech a cada dia, ainda sim, existe um longo caminho para percebermos e enxergarmos o quanto somos primitivos e egoístas. Trancafiar animais para nos servir  de palhaços, não nos faz hoje dignos de ser chamados  de  racionais. Usamos como desculpa para  aprisionamento de animais vários argumentos, que podemos dizer, superficiais e incoerentes, argumentos esses, que convencem apenas aqueles que tiveram sua inteligência e processo cognitivo sabotado desde seu estado fetal.  


Um dos argumentos mais rasos é afirmar que zoológicos tem finalidade   didática, o que cai por terra quando: o princípio de uma boa educação ambiental é  ensinar a respeitar os animais, respeitar seu habitat, seu silêncio, seu espaço. Coisa que nenhuma excursão com mais de 20 alunos histéricos irá promover a uma visita ao zoo. 

"Quer aprender sobre a vida, como se comportam, o que comem? Hoje no Globo Repórter!" 

A internet está aí, sem precisar sair da frente do computador, visitando ambientes reais de inúmeras espécies,  através de vários sites, de várias emissoras, até pelo seu Smartphone. Não precisamos invadir, traficar, violar direitos de vidas para satisfazer instintos subversivos, talvez inerentes a alma humana. A existências de Zoológicos, seja particular ou não,  é responsável pelo tráfico mundial de animais, onde separam mães, matam famílias, acabam com todo um bioma local, assim, deixando esse mundo mais desértico a cada dia.    


Outro argumento sem sentido é, que a maioria dos animais são resgatados de ambientes hostis. Ué, o  que é  mais hostil que um zoológico? Jaulas apertadas, ambiente urbano, gente xingando, cuspindo, jogando coisas, barulho.   Pergunto: como alguém vai se recuperar, sem paz, sem o convívio dos seus, e uma série de inconvenientes para uma real  recuperação?  

Se foi resgatado de um circo, ainda sim, palhaço será, pois frequentadores de zoológicos não se distinguem de admiradores de picadeiros, são pessoas extremamente grosseiras, vazias e sem questionamentos.  


Pra finalizar, animais em extinção não precisam de espectadores e sim de paz. Para promover isso, só Santuários.  teriam sim, o intuito verdadeiro de preservação e não de exploração dos já explorados, pela ignorância bestial humana. 

Jota Caballero 

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Sacrifício de animais em rituais religiosos: você é contra ou a favor?



A calmaria durou pouco tempo. Depois da polêmica discussão sobre a proibição das vaquejadas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) que dividiu a opinião de protetores dos animais e vaqueiros, chegou a vez de uma nova polêmica.

Mais uma vez, proporcionada pelo STF que julgará nos próximos dias outro assunto extremamente delicado: a votação para definir (ou não) a proibição do sacrifício de animais em rituais religiosos. Desta vez, o responsável por encaminhar o processo para a decisão do plenário foi  o ministro Marco Aurélio Mello.

Ainda não há previsão de quando o assunto será debatido, mas a polêmica já começou nas redes sociais e mais uma vez estamos aqui para levantar a opinião dos brasileiros: afinal, o Brasil deve permitir a continuidade destas práticas ou chegou a hora de evoluir e boicotar toda atividade que objetifica e explora um animal? Opine, compartilhe e convoque seus amigos para a votação.

Votar AQUI! <<<<<<<<<

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Ditador Maduro mata elefanta de fome



Os urubus voando em círculos sobre o zoológico de Caricuao são o aviso derradeiro. Ruperta, a elefanta de 46 anos cruelmente submetida a um regime de inanição, vai morrer em breve. O fim está perto, anotou uma reportagem do Los Angeles Times.




O sofrimento do pobre animal, tão forte que sua agonia acompanhada no mundo todo durou anos, é evidentemente uma metáfora poderosa do que está acontecendo com os próprios venezuelanos.

URUBUS CHEGANDO

No zoológico de Caricuao, restam hoje 150 dos 700 animais recenseados em 2006. Pavões, flamingos, patos selvagens, catetos e bodes já viraram churrasco há muito tempo. No ano passado, um grupo invadiu o espaço de um raro cavalo de raça. O garanhão negro foi esquartejado e dividido lá mesmo.
Ruperta, a elefanta que está morrendo de fome, levou um tombo recentemente e se machucou. A alimentação dela estava reduzida a abóboras. Os urubus voam cada vez mais perto.
Mas o regime continua fazendo o que sabe fazer de melhor. “É proibido dizer coisas negativas”, disse ao Los Angeles Times um dos tratadores de Ruperta. “Não podemos falar sobre o que está acontecendo porque podemos perder nossos empregos”.
Outro funcionário do zoológico constatou: “Às vezes, nós estamos mais com fome do que eles”.
Sobre a Venezuela, tristemente condenada a servir de exemplo sobre o que de pior um regime populista autodenominado de esquerda pode fazer, continuam a planar os urubus.

Fonte:Veja

Governador de SP libera tortura e crueldade de animais em faculdades





“Amigos, hoje é um dia muito triste para aqueles animaizinhos que estão nas universidades, muitas vezes em um espaço muito pequeno, há meses olhando para uma parede branca! Pois quando um ser humano se aproxima, não é para lhe fazer carinho, mas para algum procedimento que lhe causará angústia, dor física ou psicológica até a morte”, desabafou o deputado Feliciano em sua rede social.


O governador Geraldo Alckmin (PSDB) vai vetar o projeto de lei que restringe o uso de animais em atividades de ensino. A proposta, de autoria do deputado Feliciano Filho (PSC), tornaria ilegal o uso de animais em qualquer tipo de atividade pedagógica, incluindo cursos de Biologia e de Medicina Veterinária, a não ser em condições bem específicas. Hoje é o último dia para o Estado decidir sobre o tema.
“Foi uma grande decepção para todos”, disse o deputado, após ser informado da decisão pelo próprio Alckmin, em reunião no início da noite de ontem. Para Feliciano Filho, o governador “foi muito infeliz em ouvir apenas as três universidades (estaduais)” e não escutar a opinião das faculdades particulares e da sociedade – que, segundo ele, são contra o uso de animais no ensino.
Segundo a justificativa para o projeto de lei (PL), o objetivo era de “valorizar a saúde humana e animal de forma ética, buscando alternativas eficazes para tratar de problemas reais”. Apresentada em dezembro de 2012, a matéria foi aprovada na Assembleia Legislativa no fim de junho e encaminhada ao Executivo no dia 5.
Pelo texto do PL, animais vivos só poderiam ser usados em estudos de observação ou quando eles mesmos estivessem necessitados de alguma intervenção médica. Já o uso de cadáveres seria permitido quando o animal tivesse morrido de causas naturais ou acidentais. Isso valeria não somente para vertebrados, mas também para insetos e outros invertebrados.
Fonte: Istoé

Contrassenso, retrocesso, crueldade, insensibilidade e regressão. Não há mais palavras para traduzir tal atitude completamente duvidosa e especista. Como uma pessoa pública com poderes para representar e responder por toda uma sociedade, age basicamente de foma monocrática? Já que esse assunto tomou uma proporção gigante e positiva para os animais a nível mundial. 

Governar Alckmim, não é agir de forma conveniente perante seus interesses e interesses daqueles que sugam a máquina pública. Governar é principalmente atender aos anseios do povo, e estender esse atendimento para aqueles que não podem falar e nem se expressar, os animais não humanos, porque esses dependem basicamente  de nós humanos para serem respeitados e protegidos, incrivelmente  de nós mesmos.  Vergonha Alckmim! 

Que o povo de São Paulo não deixe mais pessoas iguais a você representar e assinar medidas antiéticas capazes de envergonhar toda uma nação e produzir resultados desastrosos,  dolorosos e mortais,  tanto para animais humanos e não humanos. 

Jota Caballero

Você concorda na proibição de pássaros em gaiolas?



Hoje no Brasil criar ou manter animais em cárcere privado é algo muito comum. Mesmo que exista leis que criminalizam a caça e comércio de animais silvestres, é muito fácil encontrar diversas espécies trancafiados em minúsculas gaiolas nas maiorias das residências.

E porque não criminalizar as gaiolas? 

Os pássaros são os prediletos para o deleite e apreciadores dessa prática aparentemente inofensiva, mas que causa sofrimento, prejuízo e dor. Animais que possuem a capacidade de voar são submetidos a tortura do confinamento, privação de alimento e água. 
A prisão perpétua é sua sentença, já que um animal extraído da natureza, e jogado dentro de uma gaiola, e nunca mais retornará a sua origem existencial, ficando fadado ao sofrimento e a solidão de seu pequeno mundo de grades até sua morte. 

São seres que espalham sementes por onde voam, assim causando o efeito natural de harmonização em florestas, campos, etc. Elementais da natureza que por um motivo óbvio não poderiam ser enclausurados em gaiolas, digo voar. 



Eles têm toda a natureza a seu dispor, todas as fontes de água para beber, todos os frutos para comer, todo o espeço para voar, e mesmo com todos os atributos para uma vida de total liberdade, os humanos impiedosamente e completamente desprovidos de ética, os trancafiam, limitando suas vidinhas a nada, em apenas um mísero espaço e uma vida digna de não ser vivida. 


Na Índia o Tribunal Superior de Nova Deli determinou: “A venda de aves é uma violação dos seus direitos”, ou seja, pássaros em gaiolas agora serão considerados crimes.
As aves têm o direito fundamental de “viver com dignidade” e voar, disse o Tribunal, que passou em proibir pássaros em gaiolas.
A decisão foi tomada depois que diversos pássaros foram resgatados de um homem chamado Md Mohazzim, que dizia ser tutor dos animais. A ONG People for Animals desmentiu o rapaz e provou que ele mantinha as aves em gaiolas para vendê-las.
Isso é ser racional, justificar a capacidade humana através da ética e respeito por aqueles que têm por direito inviolável sua liberdade. 



Você concorda que no Brasil deve-se criminalizar a prática de criar animais em gaiolas? Deixem sua opinião.

Jota Caballero  



segunda-feira, 24 de julho de 2017

Somos programados para ignorar o sofrimento dos animais


Entramos nesse mundo já sendo enganados. Condicionamentos absurdos somos obrigados a absorver. Somos induzidos a não questionar, a aceitar e por fim fazer parte desse grande teatro mundano de sangue, dor e gritos. 


Não conseguimos acordar desse imenso pesadelo que promovemos, pois nosso protecionismo especista está lá para nos livrar da culpa, onde a igreja nos fortalece a crença que somos os únicos dentre milhões de espécies escolhidos por um "Deus", e o Estado institucionaliza a supremacia humana, para um mundo exclusivamente humano, regrado por leis de auto proteção. O resto, é resto. 


Cometemos atrocidades inenarráveis e nem por isso nos achamos monstros, pois nossa visão é distorcida e conduzida a ver tudo da melhor forma, do mais bonito prisma, e das mais fantasiosa alegria. Nos poupamos de assistir a desgraça a nível mega industrial que comentemos, e muito de nós ou grande maioria não sabe,  ou sequer imagina o holocausto que promove-se aqui na Terra por nós mesmos. Uma questão de sono existencial que muitos dormirão sem nunca acordar, até sua morte.  



Um mundo fantasioso que promove  dor a muitos para alegria de poucos. Quero dizer que, nós, apenas nós, uma espécie, é capaz de promover a desgraça de milhões de outras espécies. O mais engraçado que sendo essa capaz de criar através da inteligência coisas incríveis, é a mesma que consegue se comportar primitivamente através do mais básico dos costumes arrastados desde os primórdios, o costume de se alimentar de entranhas iguais as suas. 

Uma indústria potencialmente mortífera, que passa facilmente por uma singela e inofensiva processadora de alimentos para o bem da nação, a indústria da carne e derivados. Só que não!  Não é bem assim, essa indústria é hoje responsável por prejuísos catastróficos em todos os níveis da natureza, que vai do clima, desmatamento, poluição, extinção de espécies, mono agricultura, seca, fome e miséria, no geral, aceleração da degradação terrena. 



O ponto fulminante de onde esse texto quer chegar é: a insensibilização do homem, o grande processo  psicológico de condução de massa, emburrecimento e idiotização, que tem como objetivo a retenção de poder por alguns e o esfriamento e o endurecimento do espírito de bilhões de seres humanos. 
O alimento no planeta Terra é a fonte mais lucrativa que existe, e por isso, em mãos de gananciosos, fez de nosso planeta, não um lugar para viver e sim sobreviver como famintos desesperados por sangue, carne e prazer. 

"Temos riquezas suficiente para suprir a fome de todos, mas não para suprir a ganância de poucos." 

Assim segue uma das frases mais perfeitas que já ouvi nessa vida. 

Temos alimentos livres de crueldade, mas alguém ou alguma coisa ainda quer que nos alimentemos de sangue do nosso sangue,  da carne de nossa carne. Onde está o sentimento? Onde está aquele algo de bom, que pesaria em nossas razões se fôssemos realmente livres para pensar e sentir?  




Somos programados para ignorar o sofrimento dos animais. Somos programados para nos fartamos diariamente por alimentos duvidosos, sofríveis e eticamente reprováveis. Não conseguimos enxergar o óbvio, pois à máquina de ilusões continua a nos hipnotizar, nos dopar, e nos deixar insensíveis, que, ao ouvir um grito de dor, daremos risadas sádicas, e cada um pensará: 

"Não é comigo, mais é pra mim." 




Não viemos aqui para aceitar o inaceitável, viemos aqui para questionar, ser e não promover a outros aquilo que não gostaríamos que fizessem conosco. Somos seres capacitados para pensar e sentir, mas a grande maioria está sendo guiada e manipulada por tão pouco, mas gerando um sofrimento tão grande, que não sabemos a consequência dessa indiferença fabricada por alguém ou alguma coisa, mas essa existe, está aqui e meteoricamente  está matando todos nós em todos os sentidos. 

Jota Caballero 

Você pensa que tem problemas?

Espécie humana, seres altamente individualistas, coletivamente nulos com a própria espécie, não seria diferente com outras. Fundamen...