quarta-feira, 12 de julho de 2017

Soldados adotam bichos no meio da guerra e conseguem ir juntos para casa



Um soldado americano servindo no norte da Síria. Um filhote de rua abandonado na Síria. Em meio aos horrores da guerra, soldado e filhote se encontram, se apoiam, sobrevivem e têm a chance de um final feliz. 

A SPCA Internacional entendeu que os laços de amizade entre homem e animal, em tempos de traumas e desespero, não podem ser desconsiderados, mesmo quando isso significa embarcar dezenas de cães, gatos e até um burrico do outro lado






É isso o que a operação batizada de “Nenhum Amigo Deixado para Trás” faz. A ONG arrecada doações no mundo todo e traz para casa dos militares seus companheiros de guerra. Filhotes de gatos e cachorros são encontrados diariamente nas bases militares. Esses homens e mulheres, treinados para o combate, encontram bichinhos frágeis, doentes, famintos, e se revezam para alimentá-los, muitas vezes na mamadeira, no meio da guerra. 



Um gatinho batizado no Iraque de Um olho –por conta de uma anomalia que não permitia que ele abrisse os olhos completamente– foi um desses sortudos. Encontrado com seus irmãos com poucas horas de vida, foi levado contrabandeado para um dormitório e salvo pela unidade que os resgatou. O gatinho dependia totalmente de seus cuidadores e precisava de um veterinário. 

Mas como achar um na fronteira entre Jordânia e Iraque? Sem chance. Um Olho foi examinado por um médico, que guardou o segredo dos soldados e explicou que ele precisaria de uma cirurgia para correção das pálpebras, que nasceram invertidas. Quando chegou a hora dos soldados voltarem para casa, ninguém queria deixar os gatinhos para trás. Um Olho e seus irmãos foram levados para os Estados Unidos, ele foi operado e hoje vive feliz com sua família.


Se trazer cães e gatos é um trabalhão imaginem adotar um burrinho iraquiano? O burrico Smoke fez sua viagem do deserto escaldante iraquiano até o gelado estado do Nebraska, nos Estados Unidos. De manta e chapéu, ele conheceu seu seu primeiro inverno, rolou na neve e vive com a família que o adotou. 

A história dessa amizade inusitada é contada no livro “Smoke the Donkey”, que conta como o bicho passou de ajudante a companheiro de soldados feridos, amigo da tropa e o mais animado participantes das paradas oficiais. Ele é a prova de que entre animais e militares que se resgatam, realmente, nenhum amigo deve ser deixado para trás.


 Fonte: Blog da Juliana Bussab

Comentários
0 Comentários

CRIAR PASSARINHOS É COISA DE RETARDADO! VOCÊ CONCORDA?

Quando digo retardado, não me refiro a deficiência mental e sim, a deficiência  de caráter, maldoso de coração, ruim, ignorante, atras...